carnaval-rio-de-janeiro

Entenda como são avaliadas as Escolas de Samba

A  vitória de uma escola na competição vai depender das notas dadas pelo júri durante o desfile, para quesitos diversos como alegoria e adereços, bateria, comissão de frente ,conjunto, enredo, evolução, fantasias, harmonia, mestre sala e porta bandeira e samba enredo  dentro dos principais fatores que os compõem como  adequação ao tema, criatividade, sincronia entre integrantes e harmonia com o restante da escola. Os juízes são separados em pequenos grupos de quatro integrantes, que ficam responsáveis cada um por um quesito. Do início do primeiro desfile do dia ao fim do último, eles permanecem incomunicáveis em suas cabines, são proibidos de usar telefones fixos ou celulares em qualquer circunstância, inclusive em emergências quando  podem se utilizar do serviço de assistentes. Também não podem ter acesso a rádio, televisão ou qualquer outro tipo de  comunicação em massa para  impedir que comentários da imprensa influenciem a decisão.

Durante a apresentação das escolas de samba, os juízes observam e julgam  o perfeito entrosamento da bateria,  a letra e a melodia do samba enredo,  a harmonia do puxador de samba,  a coesão das alas e destaques, a clareza do enredo durante a apresentação,  o conjunto uniforme e harmonioso do desfile, a criatividade e apresentação das alegorias e adereços, a adequação das fantasias ao enredo, o entrosamento do mestre sala e porta bandeira entre si e com a bateria, a saudação e apresentação da comissão de frente.  Cada nota diferente de dez deve ser justificada por escrito, inclusive as perdas de pontos, e deve  ser objetiva e direta, sem rodeios e sem nenhuma conotação pessoal. A maior preocupação das escolas porém, é com as penalidades. Existem  fatores que causam perda de pontos como a falta de sincronia na execução do samba-enredo, o desrespeito aos limites de integrantes por setor,  ou  ultrapassar o limite de tempo. Cada infração faz a escola perder pontos, que vão  de um décimo de ponto a 2 pontos, sendo que alguns poucos décimos podem significar a vitória ou a desclassificação da escola.

Dentre as penalidades, aquela que causa mais tensão entre as escolas  é o limite de tempo. No Rio de Janeiro, cada desfile deve durar no mínimo 65 minutos e  no máximo  80 minutos. Em São Paulo, o mínimo é de 55 minutos e o máximo de 65 minutos. A divulgação do resultado dos desfiles é feita normalmente na quarta-feira de cinzas sendo que a contagem dos votos é sempre tumultuada devido à pouca diferença entre as melhores. No final de semana seguinte ao resultado, as escolas campeãs voltam a desfilar, comemorando o resultado. Vamos entender um pouco de cada quesito que os jurados têm que observar e analisar antes de dar a sua nota, levando em consideração as instruções contidas no Manual do Julgador  da Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro) para o Carnaval 2012. Clique Aqui para acessar o manual   – Alegoria e adereços

Neste quesito estão em julgamento as alegorias (ou seja,  qualquer elemento cenográfico que esteja sobre rodas, incluindo os tripés) e os adereços (qualquer elemento cenográfico que não esteja sobre rodas). Para conceder notas de 9,0 a 10,0 pontos, o julgador deverá consideraro julgamento apenas das alegorias e/ou adereços apresentados em desfile, sendo que ambas estão divididas em dois sub-quesitos (valor de 4,5 a 5,0 pontos cada ) : a concepção e a realização. Para a concepção, o julgador deverá considerara concepção e a adequação das alegorias e dos adereços ao enredo que devem cumprir a função de transmitir as diversas partes do conteúdo desse enredo e a criatividade, mas devendo, necessariamente, possuir significado dentro do enredo. Para a realização, o julgador deverá considerara impressão causada pelas formas e pelo entrosamento, utilização, exploração e distribuição de materiais e cores, os acabamentos e cuidados na confecção e decoração, no que se refere ao resultado visual, inclusive das partes traseiras e geradores e que os destaques e figuras de composição, com suas respectivas fantasias, sejam julgados como partes integrantes e complementares das alegorias. No entanto deverá penalizara exposição de pedaços de fantasias, escadas, caixas, isopores ou qualquer outro tipo de objeto estranho ao significado das alegorias e/ou adereços apresentados em desfile e a eventual passagem de geradores integrando as alegorias, sem que estejam embutidos ou decorados.

– Bateria  Para conceder notas de 9,0 a 10,0 pontos, o julgador deverá considerar a manutenção regular e a sustentação da cadência da bateria em consonância com o samba enredo, a perfeita conjugação dos sons emitidos pelos vários instrumentos e a criatividade e a versatilidade da bateria.

– Comissão de frente A comissão de frente é o primeiro contingente humano, a pé ou sobre rodas, que poderá se apresentar fantasiado, dentro da proposta do enredo, ou tradicionalmente. Para conceder notas de 9,0 a 10,0 pontos, o julgador deverá considerar a concepção/indumentária e a apresentação/realização (ambos os sub-quesitos com valor de 4,5 a 5,0 pontos).  No primeiro sub-quesito deverá julgara concepção da comissão de frente e a sua capacidade de impactar positivamente o público, no momento da apresentação da escola e a indumentária da comissão de frente, levando-se em conta, neste caso, sua adequação para o tipo de apresentação proposta. No segundo sub-quesito, deverá julgar o cumprimento da função precípua de saudar o público e apresentar a escola, sendo obrigatória a exibição em frente às cabines de julgamento deste quesito e a coordenação, a sintonia e a criatividade de sua exibição, que será obrigatória em frente às cabines de julgamento deste quesito, podendo evoluir da maneira que desejar. No entanto deverá penalizara queda e/ou perda, mesmo que acidental, de parte da indumentária, como por exemplo, sapatos, esplendores, chapéus, etc.

– Conjunto  Conjunto é o “todo” do desfile, ou seja, a forma geral e integrada como a escola se apresenta.  Para conceder notas de 09 a 10 pontos, o julgador deverá considerar a uniformidade com que a escola se apresenta em todas as suas formas de expressão (musical, dramática, visual , etc) e o equilíbrio artístico do conjunto.

– Enredo Enredo é a criação e a apresentação artística de um tema ou conceito.  Para conceder notas de 9,0 a 10,0 pontos, o julgador deverá considerar os quesitos concepção e realização (ambos com valor de 4,5 a 5,0 pontos).  No primeiro sub-quesito deverá julgar o argumento ou tema, ou seja, a ideia básica apresentada pela escola e  o desenvolvimento teórico do tema proposto.  No segundo sub-quesito deverá julgara sua adaptação, ou seja, a capacidade de compreensão do enredo a partir da associação entre o tema ou argumento proposto e o seu desenvolvimento apresentado na avenida através das fantasias, alegorias e outros elementos plástico-visuais; a apresentação seqüencial das diversas partes (alas, alegorias, fantasias, etc.) que irá possibilitar o entendimento do tema ou argumento proposto, de acordo com o roteiro previamente fornecido pela Escola (Livro Abre-Alas) e a criatividade (não confundir com ineditismo). No entanto deverá penalizara troca de ordem e/ou a presença, em desfile, de alegorias ou alas que estejam em desacordo com o roteiro fornecido pela escola e a falta de alegorias ou alas que estejam previstas no roteiro fornecido pela escola (Livro Abre-Alas).

– Evolução Evolução é a progressão da dança de acordo com o ritmo do samba que está sendo executado e com a cadência da bateria.  Para conceder notas de 9,0 a 10,0 pontos, o julgador deverá considerara fluência da apresentação penalizando, portanto  a ocorrência de correrias e de retrocesso e/ou retorno de alas, destaques e/ou alegorias, a espontaneidade, a criatividade, a empolgação e a vibração dos que desfilam e a coesão do desfile, isto é, a manutenção de espaçamento o mais uniforme possível entre alas e alegorias, penalizando portanto, a abertura de claros (buracos) e a embolação de alas e/ou grupos.

Fantasias Neste quesito estão em julgamento as fantasias apresentadas pela escola, com exceção das que estiverem sobre as alegorias, as fantasias do casal de mestre sala e porta bandeira e a fantasia da comissão de frente. Para conceder notas de 9,0 a 10,0 pontos, o julgador deverá considerar os quesitos concepção e realização (ambos com valor de 4,5 a 5,0 pontos). No primeiro quesito deverá julgar a concepção e a adequação das fantasias ao enredo as quais devem cumprir a função de transmitir as diversas partes do conteúdo desse enredo e a capacidade de serem criativas, mas devendo possuir significado dentro do enredo.  No segundo quesito deverá julgara impressão causada pelas formas e pelo entrosamento, utilização, exploração e distribuição de materiais e cores; os acabamentos e os cuidados na confecção das fantasias que deverão também possibilitar uma boa evolução dos componentes e a uniformidade de detalhes, dentro das mesmas alas, grupos e/ou conjuntos (igualdade de calçados, meias, shorts, biquínis, sutiãs, chapéus e outros complementos, quando ficar nítido esta proposta). No entanto deverá penalizar a falta significativa de chapéus, sapatos e outros complementos de fantasias, quando ficar nítido que a proposta era originariamente com a presença desses elementos das indumentárias. – Harmonia  Harmonia é o entrosamento entre o ritmo e o canto. Para conceder notas de 9,0 a 10,0 pontos, o julgador deverá considerara perfeita igualdade do canto do samba enredo pelos componentes da escola, em consonância com o cantor  ou puxador do samba e a manutenção de sua tonalidade, o canto do samba enredo, pela totalidade da escola e a harmonia do samba.

– Mestre sala e porta bandeira Para conceder notas de 9,0 a 10,0 pontos, o julgador deverá considerar os quesitos indumentária e dança.  No primeiro quesito deverá julgara indumentária do casal, verificando sua adequação para a dança e a impressão causada pelas suas formas e acabamentos; beleza e bom gosto. No segundo quesito deverá julgara exibição da dança do casal, considerando-se que não “sambam” e sim executam um bailado no ritmo do samba, com passos e características próprias, com meneios, mesuras, giros, meias-voltas e torneados, sendo obrigatória a sua exibição diante dos módulos de julgamento; a harmonia do casal que, durante a sua exibição, com graça, leveza e majestade, deve apresentar uma seqüência de movimentos coordenados, deixando evidenciada a integração do casal; que a função do mestre sala é cortejar a porta bandeira, bem como proteger e apresentar o pavilhão da escola, devendo desenvolver gestos e posturas elegantes e corteses, que demonstrem reverência à sua dama (porta bandeira) e que a função da porta bandeira é conduzir e apresentar o pavilhão da escola, sempre desfraldado e sem enrolá-lo em seu próprio corpo ou deixá-lo sob a responsabilidade do mestre sala. No entanto deverá penalizar aqueda e/ou perda, mesmo que acidental, de parte da indumentária como, por exemplo, sapato, esplendor, chapéu, etc.

– Samba enredo Neste quesito o julgador irá avaliar a letra e a melodia do samba enredo apresentado como sub-quesitos valendo de 4,5 a 5,0 pontos cada, respeitando-se a licença poética.  Ele  deverá considerar a letra a partir do momento que contar o enredo, sem se fixar em detalhes. Para tanto, deve considerar a adequação da letra ao enredo, sua riqueza poética, beleza e bom gosto e a sua adaptação à melodia, ou seja, o perfeito entrosamento dos seus versos com os desenhos melódicos. Para a melodia deverá considerar  as características rítmicas próprias do samba, a riqueza melódica, sua beleza e o bom gosto de seus desenhos musicais e a capacidade de sua harmonia musical facilitar o canto e a dança dos que desfilam.

Compartilhar no Google Plus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *